Morri Na Forca!


26/02/2006


O Ritual Nuclear.

 

Entrei no paralelo nuclear,

Contar os átomos da fissão,

Durmo no nucléolo molecular,

Para construir a desintegração Celular,

E ver que nada era ficção,

C-12 nos faz queimar.

(ridículo!)

 

Eu moro na fumaça,

Eu devoro a fobia,

Eu mudo de raça,

Da noite pro dia,

Alguém viu a devassa?

E a constante alegria?

 

A luz ainda passa na vidraça,

Posso ver a “Cadeia Carbônica”

Em pneus e plantas na praça,

Movidos pela massa atômica,

Apesar da irônica grassa,

Me passa a vontade de Negar a eletrônica!

(Voltar a Origem)

sem ameaça...

 

– sou uma Fábula –

No inferno dos Doze Lamentos...

Julgo com os doze da Tabula

Seus sofrimentos...”

Escrito por Morri na Forca... às 23h24
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Histórico